Literatura, estória, contos e causos de Ouro Preto
Annamélia, Artista Ouro Preto, Literatura

ANNA AMÉLIA LOPES, artista-plástica e professora, nasceu em Nova Lima em 1936. Annamélia, como assina suas produções, mudou-se para Ouro Preto em 1964, com o marido, o pintor Nello Nuno, e os filhos, onde mora e trabalha até hoje. Graduou-se na primeira turma da Escola de Belas Artes da UFMG. Na área de gravura em metal estudou com o professor José Assunção Souza, no Festival de Inverno da UFMG em Ouro Preto e com o professor Glébio Maduro na Fundação de Arte de Ouro Preto (FAOP). Outros professores que participaram de sua formação: Álvaro Apocalipse, Haroldo Matos, Yara Tupinambá, Jefferson Lodi, Herculano Campos e Amílcar de Castro. Criou em 1970, juntamente com Nello Nuno, a Escola de Arte Rodrigo Mello Franco de Andrade incorporada pela FAOP. Em 1998 ganhou o título de “Cidadã Honorária de Ouro Preto”.



Onde pôr uma obra de arte

Nello Nuno, Ouro Preto, LiteraturaNa década de 70, em uma entrevista que o Nello Nuno deu para algumas meninas da Escola Guignard, uma aluna perguntou se ele não ficava chateado quando vendia um quadro. Ele respondeu: “Depois que acabei o quadro ele não me pertence, ele é do mundo. Se ninguém ver esse quadro, ele não existe”. Ela perguntou também se ele não ficaria chateado se uma madame comprasse um quadro dele para combinar com o tapete ou com a sala de jantar. E ele disse:  “Oh, não me interessa. Comprou, pagou, põe onde quiser, ponha na privada”. Passaram-se uns anos, tive que contratar um advogado e estava sem dinheiro para pagar. Ele foi meu colega no primeiro curso de pintura que fiz, então, eu sabia que ele gostava muito de pinturas. Ia propor a ele que me atendesse e que eu pagaria com um quadro. Ele aceitou a proposta. Depois de alguns anos, tive que procurá-lo para pegar um documento. Ele me chamou para ver onde estava aquele quadro do acordo. Me levou até o banheiro e disse que tinha colocado lá porque era o único lugar onde ele tinha sossego. “Sento aqui e fico admirando”. Lembrei na mesma hora da entrevista com o Nello “Põe onde quiser, ponha na privada” e contei a ele. Foi muito engraçado.

Repórter: Patrícia Botaro