Coluna Aberta

Espaço dedicado a temas, textos e autores diversos. Atualidades, história geral, poesia e muito mais…

Ouro Preto é cenário para Especial de Natal do programa Estrelas, da apresentadora Angélica

programa_estrelas_ouro_preto
Poliana Abritta, Padre Fábio de Melo e Angélica, pelas ladeiras de Ouro Preto
A
Na terça-feira, dia 17, Ouro Preto recebeu a visita da equipe do Estrelas, programa da Globo comandado pela apresentadora Angélica, que esteve na cidade para gravar um especial de Natal com a participação do padre Fábio de Melo e da apresentadora do Fantástico, Poliana Abritta. Segundo informações da produção, o episódio deve ser exibido no dia 23 de dezembro.
Algumas cenas foram realizadas nas igrejas do Pilar e Rosário. Representantes da Associação de Sineiros de Ouro Preto também participaram do programa, mostrando para os artistas uma das tradições das paróquias da cidade: o repique de sinos.

Angélica, Ouro Preto, Estrelasa

a

Segundo Angélica, o que mais chama sua atenção em Ouro Preto é a arquitetura. “Quando cheguei aqui já fiz aquele ‘Oh’. A arquitetura toda é impressionante. É uma cidade onde parece que você está voltando no tempo. Ela preserva muito suas tradições e isso é lindo”, disse.

padre_fabio_de_melo_programa_estrelas_ouro_pretoa

a

Padre Fábio de Melo ficou encantado com a população que o abordava por onde passava. Uma multidão aguardava sua saída assim que as gravações foram encerradas. “O que me chamou a atenção aqui foi o carinho do povo que é maravilhoso”, finaliza.

Em homenagem a Rui Mourão

Rui Mourão, Museu da Inconfidência, Ouro PretoPresto minha homenagem ao escritor Rui Mourão  que deixa o Museu da Inconfidência de Ouro Preto após 43 anos na sua direção. E o faz  com o reconhecimento,  respeito e gratidão  dos ouro-pretanos, da comunidade cultural mineira e de todos os amigos  e amigas que o acompanham durante muitos anos e que conhecem  sua fértil  trajetória de  intelectual e gestor público. Rui Mourão  é um típico exemplar  do mineiro dotado dos  melhores  valores da mineiridade e  que, infelizmente,  tornam-se cada vez mais raros  nos sombrios tempos de hoje.  Sóbrio, correto, aplicado,  servidor  público consciente de sua responsabilidade e da sua missão,  um tanto introvertido  mas  atento  a tudo,  politizado, com sólida formação cultural,    rara vocação para a literatura, observador do mundo e das pessoas,  estudioso de Ouro Preto e sua história e sua cultura,  discreto, absolutamente  probo,  Rui Mourão exerceu com absoluta exação  e dignidade a direção do Museu da Inconfidência entre outras funções que desempenhou no  Ministério da Cultura,  no IPHAN e no IBRAM.
Ouro Preto, por seus representantes,  diretores do IPHAN e do IBRAM,  seus antigos amigos, colaboradores e admiradores,  prestam-lhe  merecida homenagem  e exaltam  seu exemplo, vida e obra, marcadas por muitos momentos de dificuldades mas  em que  se destacam as  ações em defesa do patrimônio cultural, pelas inúmeras iniciativas  em defesa do patrimônio artístico mineiro, pela evolução do Museu da Inconfidência, pela  fecunda obra  que com que  enriquece a literatura mineira. Ao Rui, meu agradecimento.
Mauro Werkema | Jornalista
em 5 de outubro de 2017

Rui Mourão, que falta farás, amigo

Rui e o Museu, histórica simbiose de um homem e uma instituição, no tempo e no espaço, indeléveis. Seja dos labores, inquietudes, dos acalantos avassalados dos encontros, eis os contrapontos de algo a resvalar fábulas: as humanas, régias de preciosismos, quando há essa partita absoluta das esteiras incólumes.
Rui, desse calar, são tantos e muitos: o artista, romancista, articulista, o historiador, a calma revoltosa de um ser inquieto, intelectual do prumo e da fantasia, todavia o mestre do rigor, milimétrico e ascético, esse exemplar da retidão que se vê na diária e insana métrica de anos, décadas subindo e descendo ônibus em horas precisas, em estradas imprecisas.
E lá vai ele, insidioso, o mesmo terninho escuro de sempre, indo e vindo, trazendo tormentas de febris personagens surreais, a assentar-se calmo nos pilares da historicidade, recíproca, retilínea: – do seu caráter e isenção, desse modo de ser que é tudo num só instante, belo e mágico, altaneiro de um homem único perante seu próprio destino.
Que falta farás, amigo! Onde estarão os ruis da vida, dessa interposição entre nós e os enlevos, entre nós, os verbos e os silêncios? Não, não mais te veremos, o silente andante das ruas ouro-pretanas, o que vê, contempla, respira, congraça e administra: ora te veremos nas falas equidistantes do solo amplificado de uma não fala, vazios de uma só lágrima, essa que nos pulsa e adormece, de tristezas, de saudades.
Obrigado, Rui, tu nos fazes melhores e nos mostras que a simplicidade incide na vara principal de nossa válida conduta, como entes, em esperança, subsídios e o porvir de nós mesmos. Tu deixas a Praça, para entrar no seio angular das pirâmides desvanecidas, e ser, doravante, cerne e esfera, documento de si, história de uma autopaixão, memória de sua honrada existência, junto às margens excelsas da amada Elza. É tudo tão comovente, a sagração de um homem. Tanto quanto as talhadas pedras do Museu são essas as estrelas que se iluminam à tua eternidade…
Carlos Bracher | Artista Plástico, membro da Academia Mineira de Letras
em 5 de outubro de 2017

Homenagem do Instituto Cultural Visconde do Rio Preto ao Dr. RUI MOURÃO

Rui Mourão, Museu da Inconfidência, Ouro Preto
Elizabeth Santos Cupello, Rui Mourão e Mario Pellegrini Cupello
Não se poderá escrever a história da tricentenária cidade de Ouro Preto – e de seu Museu da Inconfidência: uma eloquente referência histórica de nosso País – sem que se abra um capítulo especial sobre o Dr. Rui Mourão, esse ilustre mineiro nascido em Bambui MG que após passar por várias cidades mineiras radicou-se em Belo Horizonte onde reside até hoje.
Advogado, Mestre em Letras, Ensaísta, Romancista e Escritor, que enriqueceu a literatura mineira e nacional ao publicar vários livros de sua autoria.  Lecionou na Universidade de Brasília e nas Universidades de Tulane, Houston e Stanford, nos EEUU, deixando sempre a marca indelével de sua passagem pelas cidades e instituições às quais emprestou o fulgor de sua refinada inteligência e grande cultura.  Não por acaso, ele é Membro da Academia Mineira de Letras, onde desfruta do respeito e admiração de seus Confrades, que reconhecem nele a invulgar cultura como expoente das artes e da literatura.
Por quarenta e três anos esteve à frente do Museu da Inconfidência de Ouro Preto, onde dinamizou o seu acervo histórico, valorizando-o com um moderno conceito museológico.  A história de Vila Rica lá está exposta através de um acervo robusto, visitado por milhares de brasileiros e pessoas de vários países.
Temos pelo Dr. Rui Mourão um particular apreço e um enorme débito de gratidão. Isso porque, quando éramos; Elizabeth Santos Cupello, Presidente da Academia Valenciana de Letras e Mario Cupello, Secretário-Geral, deslocamos essa Academia para Ouro Preto, levando conosco inúmeros Confrades, para dar posse como Membros Correspondentes a seis ilustres personalidades mineiras.  Naquela ocasião – 25.06.2005 – o Dr. Rui Mourão, por extrema gentileza, cedeu-nos o auditório do Anexo I do Museu da Inconfidência, para que lá pudemos realizar aquela solenidade, quando passaram a fazer parte de nosso Sodalício: Dom Francisco Barroso Filho (que por mais de 20 anos foi Bispo Diocesano em Oliveira e responsável pela criação do Museu Aleijadinho, em Ouro Preto); Cônego José Feliciano da Costa Simões (saudoso amigo, profundo conhecedor dos planos de Deus, da cultura e das artes, um exemplo de sacerdote); Dr. Ângelo Oswaldo de Araújo Santos (homem de rara inteligência, invulgar conhecimento histórico e prodigiosa memória: uma das grandes culturas desse País.  Participou dos mais altos escalões políticos e administrativos na esfera Federal e no Governo de Minas. Atualmente é o Secretário Estadual de Cultura de Minas Gerais MG); Diácono Agostinho Barroso de Oliveira (a quem aprendemos a admirar por sua retidão de caráter, por sua cultura e criatividade, por sua capacidade profissional ao criar e organizar Museus e, especialmente, por sua exemplar religiosidade); Pintor Milton Passos (um consagrado artista de rara sensibilidade que reveste de arte, luminosidade e beleza o casario colonial de Ouro Preto e região); Dr. Ricardo Pereira (Engenheiro, pesquisador e empresário no setor de hotelaria em Ouro Preto, sempre preocupado com a preservação da memória histórica de Minas).
Em outra oportunidade estivemos com o Dr. Rui Mourão, em 05.06.2009, quando a convite dos Prefeitos de Ouro Preto – Dr. Ângelo Oswaldo – e de Mariana – o saudoso amigo Dr. Roque Camêllo – a Academia Valenciana de Letras por nosso intermédio, participou do “Encontro de Três Academias” (Mineira de Letras; Valenciana de Letras; e Marianense de Letras).  Entre outras atividades culturais os Membros dessas Academias, recepcionados pelo Dr. Rui Mourão, visitaram o Museu da Inconfidência.
Recentemente, mais uma vez desfrutamos das gentilezas do Dr. Rui Mourão, ao sermos honrosamente convidados a fazer um discurso sobre o Pai da Aviação, ao ensejo da abertura da Exposição sobre Alberto Santos Dumont, realizada em 11.11.2016 pelo Museu da Inconfidência.  O nosso Instituto Cultural colaborou com o envio de fotos e documentos para esta Exposição.
Através do Instituto Cultural Visconde do Rio Preto, que dirigimos, valemo-nos desta oportunidade para expressar ao Dr. Rui Mourão os nossos melhores agradecimentos e felicitá-lo por seu vigoroso trabalho em prol da preservação da memória histórica de Minas e de nosso País.
Mario Pellegrini Cupello
Arquiteto, Presidente do Instituto Cultural Visconde do Rio Preto – ICVRP
Elizabeth Santos Cupello
Advogada, Vice Pres. e Diretora do Centro de Preservação da Memória do ICVRP
em 16 de outubro de 2017

OUROPRETOCULTURAL | ACESSO RÁPIDO

novembro azul