Entrevista Ouro Preto, revista ouropretocultural

Fórum das Letras faz homenagem a Carlos Drummond de Andrade


Guiomar de Grammont
Guiomar de Grammont é escritora, doutora em Literatura Brasileira pela USP, com estágio na EHESS de Paris, onde lecionou como professora visitante. Foi diretora do Instituto de Filosofia Artes e Cultura da Universidade Federal de Ouro Preto, onde leciona desde 1994. Criou e coordena o Fórum das Letras de Ouro Preto. Foi curadora nas Bienais do Livro do Rio de Janeiro, Minas e Bahia. Organizou também eventos no exterior, como o Letras em Lisboa, a parte brasileira do Salão do Livro Latinoamericano de Paris e – cedida para o Ministério da Cultura por um breve período – a homenagem ao Brasil na Feira Internacional de Livros de Bogotá. Premiada com a Bolsa Vitae e o Casa de las Américas, publicou diversos livros, entre eles, Aleijadinho e o Aeroplano: paraíso barroco e a construção do herói colonial; Don Juan, Fausto e o Judeu Errante em Kierkegaard e Sudário (contos, prêmio Casa de las Americas). Em 20014, deixou a editoria executiva de ficção nacional que exerceu na Editora Record por um ano e oito meses, para se dedicar à sua própria literatura.

Aluísio Drummond | Mãos que abrem sorrisos em Ouro Preto

Aluísio Drummond, Ouro Preto“Aluísio Fortes de Drummond é uma figura humana rara e incomum. Possui acurado ‘sentimento do mundo’, das grandezas e mazelas humanas e suas instituições. Alma generosa, aguçada pela consciência de que é possível mudar o mundo e a vida, tem na solidariedade sua maneira de expressar sua indignação para com as injustiças e desigualdades”. Foi assim que o jornalista Mauro Werkema definiu com belas palavras, o dentista Aluísio Drummond no livro Fundação Sorria 25 anos, lançado em 2015. Nesta entrevista, ele conta como foi o início deste sonho, as dificuldades, e o que planeja para o seu futuro.

Mauro Werkema e sua ligação com Ouro Preto

Ouro Preto: 300 anos de imagemA
Mauro Werkema é belo-horizontino e cidadão honorário de Ouro Preto. Jornalista, psicólogo e administrador. Como jornalista, trabalhou em vários veículos de comunicação, entre eles a TV Globo e Estado de Minas, onde foi editor-chefe. Na área de Comunicação Empresarial, trabalhou no Instituto de Desenvolvimento Industrial de MG, BDMG e COPASA. Integrou a equipe fundadora da Secretaria de Estado da Cultura, foi diretor em Ouro Preto e em Minas do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). Foi secretário de Cultura e Turismo de Ouro Preto, duas vezes presidente da Belotur e, por três vezes, presidente da Fundação Clóvis Salgado (Palácio das Artes). Coordenou a elaboração do Plano Diretor de Turismo de Minas Gerais. Presidiu a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte. Publicou o livro
História, arte e sonho na formação de Minas Gerais e participou  de várias publicações como Celio de Castro-Trajetória, Ouro Preto – Olhar Poético, Aleijadinho-200 Anos, Ouro Preto Museus, Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais-70 Anos, A História da Escola de Minas, Igrejas e Capelas entre outros. Atualmente está trabalhando em um livro sobre os protagonistas de Ouro Preto.

Rui Mourão e o Museu da Inconfidência

por Mauro Werkema


rui_moura-_mauro_werkema_ouro_pretoConhecido e respeitado por todo o setor cultural mineiro, o escritor Rui Mourão acaba de aposentar-se após dirigir, por 43 anos, o Museu da Inconfidência de Ouro Preto. Nesta entrevista, Rui fala de sua experiência e as dificuldades iniciais de sua gestão para recuperação e adequação do imponente prédio de Câmara e Cadeia de Ouro Preto e transformá-lo na importante instituição museológica que é nos nossos dias, recebendo público superior a 150 mil pessoas por ano. 

Revela as iniciativas destinadas, ao longo do tempo, a dar ao Museu concepção e organização museográficas compatíveis com sua missão e importância, a aquisição e expansão de acervos, biblioteca e oficinas de restauro e o desenvolvimento de setores essenciais às iniciativas de promoção e difusão cultural e educacional, que considera inerentes à missão da instituição museológica, como também a pesquisa e a Comunicação. 

O Museu da Inconfidência e o início de Deise Lustosa

Deise Lustosa, Museu da Inconfidência, Ouro PretoA

A
Natural do Rio de Janeiro e residente em Ouro Preto, a arquiteta e urbanista Deise Lustosa tomou posse na direção do Museu da Inconfidência no dia 18 de setembro de 2017. Com um currículo extenso, Deise sempre esteve envolvida em trabalhos relacionados a conservação do patrimônio histórico. Para ter uma ideia, ela é arquiteta pela Faculdade Metodista Izabela Hendrix, especialista em Cultura e Arte Barroca pela Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) e em Conservação e Restauração de Monumentos e Conjuntos Históricos pela Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Foi sócio-proprietária da MD Arquitetura e Consultoria Ltda. e atuou em inúmeros projetos de conservação e restauração, com destaque para bens tombados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN/MINC) – dentro do Programa PAC das Cidades Históricas em Mariana (MG). Foi diretora administrativa do Museu do Oratório por 10 anos. Também participou da criação e implantação do Sistema de Museus de Ouro Preto e foi presidente e diretora da Fundação de Arte de Ouro Preto (Faop) e diretora de Conservação e Restauração do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (IEPHA).

Annamélia Lopes | A artista da cartografia afetiva de Ouro Preto

Annamélia Lopes, Ouro Preto

A

A

A artista-plástica e professora Anna Amélia Lopes de Oliveira nasceu em Nova Lima em 1936. Annamélia, como assina suas produções, mudou-se para Ouro Preto em 1964, com o marido, o pintor Nello Nuno, e os filhos, onde mora e trabalha até hoje. Graduou-se na primeira turma da Escola de Belas Artes da UFMG. Na área de gravura em metal estudou com o professor José Assunção Souza, no Festival de Inverno da UFMG em Ouro Preto e com o professor Glébio Maduro na Fundação de Arte de Ouro Preto (FAOP). Outros professores que participaram de sua formação: Álvaro Apocalipse, Haroldo Matos, Yara Tupinambá, Jefferson Lodi, Herculano Campos e Amílcar de Castro. Criou em 1970, juntamente com Nello Nuno, a Escola de Arte Rodrigo Mello Franco de Andrade incorporada pela FAOP. Em 1998 ganhou o título de “Cidadã Honorária de Ouro Preto”.

Nesta entrevista ela conta sobre o começo da carreira, a vinda para Ouro Preto, sua paixão pela cidade, a convivência com Nello Nuno e outras personalidades como Murilo Rubião.

OUROPRETOCULTURAL | ACESSO RÁPIDO

novembro azul